Tesouros das bibliotecas digitais do Congresso Nacional

Nem só de política vive o Congresso Nacional. As bibliotecas de ambas as casas legislativas federais conservam livros raros, verdadeiros tesouros que pouco a pouco têm sido digitalizados e postos à disposição do público para ser lidos em linha/online ou baixados gratuitamente.

Senador Federal  Fundada há mais de 180 anos, a Biblioteca do Senado acumulou um grande acervo de livros sobre os mais variados assuntos, principalmente temas brasileiros, entre os quais se incluem centenas de obras raras. Em 2009 essas raridades começaram a ser digitalizadas e postas na Internet à disposição de todos os interessados.

Esses arquivos digitais são feitos a partir de fotografias completas de cada exemplar da biblioteca, o que possibilita registrar carimbos e assinaturas dos antigos possuidores, anotações e correções, grifos e as próprias pastas das encadernações.

A lista das obras digitalizadas pela Biblioteca do Senado já ultrapassa mil títulos; muitos deles tratam da questão da extinção da escravidão no Brasil. Dentre estes, destacam-se: A escravidão no Brasil: ensaio histórico-jurídico-social (1866), de Perdigão Malheiro; Abolição imediata e sem indenização (1883), de autor anônimo; Apontamentos para a história do movimento abolicionista na província do Rio Grande do Sul (1888) de Joaquim de Sales Torres Homem; e A emancipação: breves considerações, por um lavrador baiano (1871).

Outros títulos raros são: Memórias para a história do extinto Estado do Maranhão, cujo território compreende hoje as províncias do Maranhão, Piauí, Grão-Pará e Amazonas (1860), de José de Moraes e Cândido José de Almeida; O selvagem (1876) de José Vieira Couto de Magalhães; Um estadista do Império: Nabuco de Araújo, sua vida, suas opiniões, sua época (1899) de Joaquim Nabuco; e Antiqualhas e memórias do Rio de Janeiro (1921), de José Vieira Fazenda.

Destacam-se também muitas obras do século XIX – entre elas primeiras edições – de autores brasileiros e portugueses como José de Alencar, Machado de Assis, Vagundes Varela, Camilo Castelo Branco e outros.

A Biblioteca Digital do Senado Federal está disponível em http://www2.senado.gov.br/bdsf/.

Câmara dos Deputados  Seguindo os mesmos critérios do Senado, a Câmara dos Deputados também iniciou a digitalização de seu acervo de raridades bibliográficas.

Dentre as obras já digitalizadas, destacam-se: A Amazônia: as províncias do Pará e Amazonas e o Governo Central do Brasil (1883), do Barão de Marajó; Instituição da Companhia Geral para o Estado do Brasil (1649); Relação da embaixada que o poderoso rei de Angome, Kiay Chiri Broncom, senhor dos dilatadíssimos sertões de Guiné, mandou… (1751); Portugal e o Brasil: observações políticas aos últimos acontecimentos do Brasil (1822), de Francisco d’Alpuim Meneses; Carta de El-Rei D. Manuel ao Rei Católico narrando-lhe as viagens portuguesas à Índia desde 1500 até 1505 (1892), de Próspero Luís Peraggallo; além de todas as constituições brasileiras anteriores à atual (1824, 1891, 1934, 1937, 1946 e 1967).

Cabe citar também diversos decretos coloniais portugueses, e entre estes o famoso Diretório que se deve observar nas povoações dos índios do Pará e Maranhão… (1758), um dos principais instrumentos da política portuguesa na Amazônia durante o período pombalino.

A Biblioteca Digital da Câmara dos deputados está disponível em http://bd.camara.gov.br/bd/.

Santarém, PA, 17/1/2012. Editado em 6/5/2016.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s