A Velhice

A VELHICE

Jānis Jaunsudrabiņš (1877–1962)

No rosto de quase todas as pessoas, leio um medo disfarçado da velhice. Então eu também começo a pensar sobre este fantasma e procuro algo com que possa compará-lo. Oh, a velhice é muito diversa:

Vejo-a como nuvens distantes acima de minha cabeça! Elas são silenciosas e imóveis, e meio engastadas no azul-escuro. E quero mandar-lhes um alô.

Vejo-a como a paisagem colorida que espera pela neve com a maior das saudades.

Vejo-a como um cardo seco na encosta de um monte. Ali ele permanece de pé e cintila sob a luz do sol de outono, e o vento carrega seus cabelos brancos para além do monte, além do rio.

Vejo-a como uma floresta nua após a ventania. Ela então se mostra heroica, e eu quero ser assim.

Não, a velhice não é nenhum fantasma. Se nós começássemos a vida pela velhice, nós com toda a certeza temeríamos a infância e a chamaríamos por aquele outro nome.

E o que é então a juventude?

Muitas, muitas vezes nós a vemos como um porquinho que, chafurdando, se enlameou até os olhos, mas continua tendo o rabo enroladinho.

JAUNSUDRABIŅŠ, Jānis. La Maljuneco. Tradução de Ko So. Norda Literaturo, Jelgava (Letônia), n. 2, K. Strazds (Ed.), 1934.

Traduzido do letão para o esperanto por Ko So; do esperanto para o português por Júlio César Pedrosa.

Notas:
1- O escritor letão Jānis Jaunsudrabiņš nasceu em Selônia, Letônia, em 25 de agosto de 1877; faleceu em 28 de agosto de 1962 na Alemanha. Mais sobre ele aqui (em letão, francês e outras línguas, mas não em português): https://lv.wikipedia.org/wiki/J%C4%81nis_Jaunsudrabi%C5%86%C5%A1
2- Sobre a revista Norda Literaturo (em esperanto): https://eo.wikipedia.org/wiki/Norda_literaturo

Santarém, PA, 26/7/2017. Leia e curta também no Blogspot.

Anúncios

Lusia [poema de Julius Balbin]

LUSIA

Julius Balbin (1917-2006)
Traduzido do esperanto por Júlio César Pedrosa

Ela era minha vizinha
antes da guerra –
e aos catorze anos
eu em segredo sonhava com ela,
enamorado de seus
negros olhos ardentes
e sua voz de veludo
cheia de amor.

E nada resta dela
além de sua roupa rasgada
e flocos de sangue
que a terra absorve.

Porque ela teve a audácia
de dirigir a palavra a um jovem guarda da SS,
o chefe do campo de concentração
ordenou
lançá-la
na jaula
de seus amados cães assassinos.

Em poucos minutos
sua carne foi devorada
e seus ossos quebrados,
e nada mais restou
além de minhas lembranças
e lágrimas
absorvidas pela terra,
que nós ambos dividimos
com os assassinos
humanos e caninos.

Ela era minha vizinha
antes da guerra…
com seus
negros olhos ardentes
e voz de veludo
cheia de amor.

1980

BALBIN, Julius. Lusia. In: Imperio de l’ Koroj: Du Poemaroj. Pizo, Italujo [Pisa, Itália]: Edistudio, 1989. p. 162-163.

O autor:
balbin-imperio-001Julius Balbin (1917-2006) nasceu em Cracóvia, Polônia, no seio de uma família judia. Foi preso pelos alemães e passou por vários campos de concentração. Após o fim da II Guerra Mundial estudou em Viena, Áustria, e emigrou em 1951 para os Estados Unidos da América, onde por muitos anos foi professor universitário, retornando à Europa em 2005. Faleceu em Aye, Bélgica. Publicou vários livros de poemas em esperanto, inglês e polonês.

Mais sobre Julius Balbin:
Em inglês: “Strangled Cries: A profile of poet Julius Balbin” – Alexander Kharkovsky;
Em esperanto: “Julius Balbin” – Wikipedia.

Um artigo de Julius Balbin (em inglês): “The Secret Malady of Esperanto Poetry” (1973).

Santarém, Pará, 8/3/2017. Leia e curta também no Blogspot.

Poema sem Título [Charles Simic]

POEMA SEM TÍTULO
(Poem Without A Title)

Charles Simic
Tradução de Júlio César Pedrosa

Pergunto ao chumbo:
Por que te deixaste
Converter em bala?
Esqueceste os alquimistas?
Abandonaste a esperança
De converter-te em ouro?

Ninguém responde.
Chumbo. Bala. Com nomes
Como estes
O sono é longo e profundo.

Traduzido da versão espanhola de Isaías Garde, a qual junto com o original inglês está disponível aqui:
http://zoonphonanta.blogspot.com.br/2017/01/charles-simic-poema-sin-titulo.html.

O autor: Charles Simic é um poeta estadunidense nascido em Belgrado, Sérvia, em 1938. Emigrou com a família para os EUA em 1954. Mais sobre ele aqui:
https://en.wikipedia.org/wiki/Charles_Simic.

Santarém, PA, 21/1/2017. Leia e curta também no Blogspot.

A Cadela de Buchenwald [poema de Julius Balbin]

A CADELA DE BUCHENWALD
OU
RÉQUIEM PARA A PELE

(La Hundulino de Buchenwald aŭ Rekviemo por la Haŭto)

Julius Balbin
Traduzido do esperanto por Júlio César Pedrosa

Rasgada e cheia de cicatrizes das pancadas
e contraída pela fome,
coberta apenas por uma
fétida
camisa
listrada
esfarrapada,
tu eras mais do que somente pele:
eras um brinquedo –
objeto de exibição
para uma curiosidade mórbida.

De todos os demônios
dos infernos de Hitler,
Frau* Ilse Koch,
a vadia de Buchenwald*,
parecia apreciar-te a ti no mais alto grau;
e, particularmente, àqueles entre vós
a portar tatuagens,
que provocavam nela
um espasmo
de ideias vibrantes
de algum desenho
para seus abajures.

Certa vez
ela arranjou uma festa
para comemorar
sua nova exposição.
A mais admirada
pelos membros da SS e pelos guardas
eras tu
tão coloridamente tatuada
com as palavras
HAENSEL UND GRETEL*
brilhando acima da lâmpada.
Sim, pele,
os comentários
e olhares elogiosos deles
teriam sido mais podres
do que tu,
se tu tivesses apodrecido
na terra infestada de vermes.

Requiescat in pacem*,
pele,
as orgias dos bárbaros
acabaram.

1982

BALBIN, Julius. La Hundulino de Buchenwald aŭ Rekviemo por la Haŭto. In: Imperio de l’ Koroj: Du Poemaroj. Pizo, Italujo [Pisa, Itália]: Edistudio, 1989. p. 197-198.


Notas:

1- Frau – Em alemão no original: “senhora”.
2- Buchenwald – Campo de concentração nas proximidades de Weimar, estado da Turíngia (Thüringen), Alemanha.
3- Hansel und Gretel – Nomes alemães dos personagens João e Maria, respectivamente, da fábula de mesmo nome, recolhida e difundida pelos irmãos Grimm.
4- Requiescat in pacem – Em latim no original: “Descansa em paz”; é a origem da abreviação RIP.

O autor:

balbin-imperio-001Julius Balbin (1917-2006) nasceu em Cracóvia, Polônia, no seio de uma família judia. Foi preso pelos alemães e passou por vários campos de concentração. Após o fim da II Guerra Mundial estudou em Viena, Áustria, e emigrou em 1951 para os Estados Unidos da América, onde por muitos anos foi professor universitário, retornando à Europa em 2005. Faleceu em Aye, Bélgica. Publicou vários livros de poemas em esperanto, inglês e polonês.

Mais sobre Julius Balbin:
Em inglês: “Strangled Cries: A profile of poet Julius Balbin” – Alexander Kharkovsky;
Em esperanto: “Julius Balbin” – Wikipedia.

Um artigo de Julius Balbin (em inglês): “The Secret Malady of Esperanto Poetry” (1973).

Santarém, Pará, 29/11/2016. Leia e curta também no Blogspot.

Toda a Minha Vida [poema de Armand Su]

TODA A MINHA VIDA
(Tuta Mia Vivo)

Armand Su (1936-1990)
Traduzido do esperanto por Júlio César Pedrosa.

Toda a minha vida é esperar
– esperar alguém
que não veio, não vem
e nunca virá.

Toda a minha vida é suspirar
– suspirar por alguém
que não existiu, não existe
e nunca existirá.

Toda a minha vida é amar
– amar alguém
que não me amou, não ama
e nunca amará.

Toda a minha vida é sofrer
– sofrer por alguém
que de mim não teve dó, não tem
e nunca terá.

Toda a minha vida é morrer
– morrer a esperar,
a suspirar,
a amar
e a sofrer.

SU, Armand. Mia Tuta Vivo. In:       . Poemoj de Armand Su. Unua eldono. Kompilita de Hu Guozhu kaj Shi Chengtai. Beijing, Ĉinio: Ĉina Esperanto-Eldonejo, 1992. p. 47-48.


Nota biográfica:
O poeta chinês Armand Su (pseudônimo de Su Chengzong) nasceu em 19 de novembro de 1936. Estudioso de literatura e tradutor, aprendeu mais de 20 idiomas, dentre os quais alemão, inglês, francês e russo.
Armand Su aprendeu esperanto em 1956. Algum tempo depois seus poemas começaram a ser publicados em revistas literárias em esperanto, e o autor se tornou conhecido dentro e fora da China. Escrevia e traduzia também em outras línguas.
Em 1968, em plena Revolução Cultural Chinesa, Su foi preso sob a acusação de conduta antirrevolucionária, devido à sua atividade como esperantista e tradutor/redator de línguas estrangeiras, e condenado a 20 anos de prisão. Adoeceu gravemente na cadeia e quase morreu; a doença lhe deixou sequelas e Su jamais se recuperou plenamente.
Em 1978, após 10 anos de cárcere, foi declarado inocente e libertado, retornando a suas atividades literárias, apesar dos problemas de saúde.
Faleceu em Tianjin, China, em 23 de setembro de 1990.
Em 1992 a Editora Esperantista Chinesa reuniu e publicou sua produção poética no volume Poemoj de Armand Su (“Poemas de Armand Su”).

Santarém, PA, 17/5/2016.

Anedotas sobre Attila József

ANEDOTAS SOBRE ATTILA JÓZSEF
(Anekdotoj pri Attila József)

Sándor Szathmári
Traduzido do esperanto por Júlio César Pedrosa

József_Attila 1924
Attila József em 1924. Fonte: Wikipedia.

Posso orgulhar-me de ter tido boa amizade com o eminente poeta Attila József.

Boa amizade? Com aquele homem agitado e nervoso que sempre batalhava com todos?

Sim! Justamente por isso sei com certeza que ele me estimava, porque ele sempre discutia, até disputava comigo. Com aqueles dos quais não gostava, ele se portava com uma gentileza glacial, e não os tinha como dignos de uma disputa de ideias.

Não reconhecia nenhuma autoridade. Sem nenhum respeito atacava e refutava seus atacantes e refutadores. A discussão era seu esporte, de que nasciam suas fagulhas do espírito, que ele depois entretecia em seus poemas.

Ocorreu certa vez, em 1933, que eu proferi uma palestra em um clube sobre a crise econômica internacional da época, que então abalara profundamente o capitalismo liberal.

Depois da palestra, muitos dos que ali estavam presentes se juntaram em torno de mim, e começou o costumeiro bate-papo após a conferência, o simpósio extraoficial, quando os interessados faziam suas observações, replicavam ou davam-me indicações sobre o tema.

Attila József também estava lá, mas não se aproximou totalmente de mim. Ficou um pouco afastado, às vezes ouvia a conversa, ia para lá, vinha para cá, e via-se que ele guardava algo digno de ser dito.

Também conjeturei, e de certa forma temi, que ele logo viria, explodiria, refutaria e daria cabo de minhas asserções.

Por fim o grupo de discussão começou a desfazer-se. Dissipou-se o círculo de gente em torno de mim. E então Attila József, com passos firmes e decididos, veio até mim.

— Você é… você é… um bom palestrante!

Disse isso abruptamente, de supetão, de modo jogado, com um descuido meio afetado.

E daí se virou e foi embora. Ele visivelmente se envergonhava de sua fraqueza.

Esse reconhecimento foi, para mim, a maior honra de minha vida. Tão valiosa quanto uma medalha de ouro. Se até ele devia reconhecer-me, então eu devia ser sem dúvida um bom palestrante.

Certa vez ele morou junto com Lajos Nagy, que escrevia prosa. Ambos eram pobres, de maneira digna a escritores de talento. Outro escritor húngaro, László Vajthó, escreveu: “O escritor ou ganha dinheiro ou diz a verdade”. Ora, eles por preferência diziam a verdade e não ganhavam dinheiro. Moravam num quarto em comum.

Certa noite, ao se recolherem para dormir, eles como de costume conversavam. Então entre outras coisas Lajos Nagy disse estas palavras: “… o mar azul…”.

Attila József logo replicou:

— O mar não é azul, é verde!

Mas Lajos Nagy também não era de temperamento fácil. Passou a demonstrar que o mar é, de fato, azul.

Com estas palavras ele acendeu o pavio explosivo. Attila József então citou poetas competentes que cantaram o verde mar.

Em se tratando de citações, Lajos Nagy também não era laico. Citou em dobro muitos autores, de Safo a Jean Cocteau, passando por Byron, cuja poesia fora inspirada pelo azul do mar.

Seguiram-se depois as descrições de marinheiros, conquistadores e cientistas. (Desnecessário até dizer que nenhum deles tinha visto o mar. Como mencionei, eles de preferência diziam verdades.)

Enquanto isso eles já se tinham deitado, mas mesmo assim continuavam esgrimindo. A discussão acirrava-se e, por fim, foi Lajos Nagy que primeiro se cansou.

Para terminar a infrutífera disputa, ele decidiu capitular:

— Você me convenceu — disse tranquilo. — Devo conceder que você tem razão: o mar é, de fato, verde.

Disse “Boa noite!” e apagou a luz.

Attila József calou-se, contrariado. Sentia-se fora de seu elemento vital. Lajos Nagy logo adormeceu, e ele fervia por dentro. Por fim, depois de uns 15 minutos de luta consigo mesmo, explodiram as forças internas dentro dele. Gritou:

— Ei, Lajos!

— Grrr! — acordou Lajos Nagy com um súbito rosnado. — Quê? Que é?

— Mas saiba você que o mar não é assim TÃO VERDE, como você imagina!

Traduzido de:
SZATHMÁRI, Sándor. Anekdotoj pri Attila József. Hungara Vivo, 1967, n-ro 4 (7a jaro), p. 17.
Disponível em: <http://www.autodidactproject.org/other/szathmari_jozsef.html>. Acesso em: 12 fev. 2016.

Sobre Attila József: http://pt.wikipedia.org/wiki/Attila_J%C3%B3zsef.

Sobre Sándor Szathmári:
https://en.wikipedia.org/wiki/S%C3%A1ndor_Szathm%C3%A1ri.

Santarém, PA, 19/11/2013. Editado em 12/2/2016.

O Homem Primitivo [poema de Karolo Piĉ]

O Homem Primitivo
(La Prahomo)

Karolo Piĉ (Karel Píč), 1920-1995
Traduzido do esperanto por Júlio César Pedrosa.

Dizem
que a poesia é tão antiga quanto a humanidade.
Mas isso é um erro.
Pois de todas as artes
a literatura é a última.

O homem de Heidelberg
parece que ainda não falava.
Sua única poesia era o crepitar do fogo.

O neandertal não conhecia a escrita.

E o primeiro poema do homem primitivo de Altamira
não foi um soneto,
mas um bisão,
desenhado na parede de uma caverna.

La Prahomo

Fonte: Originalaj Poemoj en Esperanto (https://www.facebook.com/PoemoEnEsperanto).

Santarém, Pará, 29/9/2014. Editado em 26/8/2015.