Produto de exportação

O Brasil não para de diversificar sua economia e seu leque de exportações.
Abro um livro gringo, em inglês, sobre turismo no Brasil, e topo nele com vários termos do português brasileiro ali citados e erradamente escritos, com acentos onde não os deveria haver, por exemplo.
Muitas pessoas escrevem TAMBAQUI ou TATU com acento no I ou U porque não dominam as normas de ortografia (aí não há acento gráfico, pois se trata de palavras oxítonas terminadas em I ou U, como AQUI, ALI, BATI, CAQUI, MURUCI, JURITI, PARTI, JACU, URUBU, ITU, PERU, GUABIRU…).
Sabemos a causa, a complexa situação que leva a tais erros de escrita.
Mas encontrar palavras nossas com grafia errada num livro em outra língua mostra que o mais novo produto de exportação brasileiro é o erro ortográfico.

Leia e curta também no Blogspot.

Lollapalooza de velha

Não me importo com as crenças alheias. Religião é assunto pessoal, coisa própria de cada um, e ninguém deve intrometer-se nisso. Respeitem-se as pessoas e suas crenças e evitar-se-ão problemas. Cada macaco no seu galho, cada um no seu quadrado.
Foi o que pensei quando fiquei sabendo, hoje, que um conhecido humorista da TV foi criticado porque debochou da procissão do Círio de Nossa Senhora de Nazaré, que ocorre anualmente em Belém do Pará há séculos, chamando-a de “Lollapalooza de velha”.
Pensei também: “Esse cara está brincando com fogo, querendo ser cancelado”. Não sou favorável a nenhum tipo de censura, mas acho que alguns humoristas batem pesado e deveriam conter um pouco a língua para evitar problemas.
Mas logo depois vi que o humorista em questão é Murilo Couto, que é paraense, logo tem lugar de fala nativo e cativo para criticar e mangar à vontade de coisas do Pará. Ele sabe do que fala e o que faz.
Tudo em casa, então! Nada que não se resolva civilizadamente, roendo umas pupunhas e tomando um cafezinho ou suco de bacuri com bolo-podre. Ou não?
Seja como for, não nos intrometamos nessa contenda, que é assunto interno, “interna corporis”.
Sapo de fora não chia.

Santarém, Pará, 24/10/2021.
Leia e curta também no Blogspot.

#ciriodenazare #murilocouto

México lindo!

Num programa americano (dublado) exibido na TV por assinatura, faz-se referência à cidade mexicana de San Luis Potosí, capital do estado de mesmo nome.
Nada de extraordinário. Normal, aliás, pois o México habita os sonhos e os pesadelos dos ianques: criminosos “made in USA” vivem fugindo para o vizinho do sul, enquanto os guardas de fronteira mantêm a forma correndo atrás de imigrantes ilegais — não necessariamente mexicanos — que cruzam a mesma fronteira no sentido oposto.
O que me chamou a atenção foi a pronúncia do nome mexicano na dublagem: em vez de pronunciar o nome San Luis Potosí com uma pronúncia próxima do castelhano ou à brasileira, o dublador pronunciou… à inglesa, como se fosse um nome anglófono. Saiu algo como SÉN LÚI POTÔUSSI. Inacreditável!
Simplesmente o dublador repetiu ou imitou a pronúncia do ator no filme original, sem nem mesmo atentar para o ridículo que há nisso.
Por quê? O que explica isso? Incultura? Falta de informação? Não sei o que dizer.
O problema não se dá apenas na leitura de palavras estrangeiras ou de nossa língua nas dublagens de filmes, pois as traduções também são sofríveis.
Reflexos de uma combinação de fatores de nossos tempos.

Santarém, Pará, 24/10/2021.
Leia e curta também no Blogspot.