O separatismo nosso de cada dia

brasil-separatistaVez ou outra topamos nas redes sociais com publicações compartilhadas de grupos separatistas, geralmente de São Paulo ou dos estados do Sul do Brasil (Movimento São Paulo Livre, República de São Paulo, O Sul É Meu País etc.). A reação de muitos dos que leem isso é de espanto, perplexidade – afinal, como pode alguém querer separar-se de um país tão “promissor” como o Brasil?!

Os comentários que costumam acompanhar tais postagens invariavelmente acusam haver “racismo”, “preconceito”, “discriminação”, “traição”, “exploração” por parte de tais movimentos contra o resto do País.

Como SP e Sul concentram a maior população de imigrantes eurasianos (portugueses, espanhóis, italianos, alemães, coreanos, japoneses, chineses, árabes, armênios, eslavos e outros) e seus descendentes, acusam-se os habitantes dessas regiões de ter chegado ao Brasil para “matar sua fome” e, agora, “cospem no prato em que comeram”, “viram o cocho”, “querem abandonar o Nordeste” (como se o Brasil consistisse só de três regiões: Sul, São Paulo e Nordeste!), são “nazistas”, “fascistas” e coisas semelhantes.

Há ou não motivos justificáveis que levem habitantes de SP e Sul a querer separar-se do Brasil? No caso do Rio Grande do Sul, sabemos que o movimento separatista local (aliado ou não aos dos outros dois estados sulistas) remonta suas origens à Guerra dos Farrapos (1835-1845). Já em São Paulo o movimento é mais recente, com raízes e simbologia na Guerra Constitucionalista de 1932.

Motivos para separar-se sempre há em todo lugar; e se há também consentimento da maior parte da população da região em questão quanto à independência, não creio que se possa ser contra isso. Aliás, eu mesmo não estou nem aí!

Mas será que esses movimentos independentistas paulistas e sulistas são os únicos do País ou eles apenas têm mais força e evidência do que os outros?

Basta pesquisar rapidamente sobre o assunto na Internet para termos a resposta: há grupos separatistas em quase todos os estados e até no Distrito Federal; aliás, em alguns estados e regiões há mais de um movimento organizado. Não é apenas o Sul que deseja “abandonar o Nordeste”, pois o próprio Nordeste também quer separar-se do Brasil; há um movimento independentista na Amazônia, outro no Rio de Janeiro; também Goiás e Pernambuco desejam evadir-se. Até no Espírito Santo e em Roraima há quem queira deixar de ser brasileiro!

Muitos desses grupos são pequenos e incipientes, mas ganharam fôlego com a vitória do movimento Brexit no recente plebiscito britânico sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, e se espalham por meio da Internet e redes sociais. Fazem barulho e reclamam, principalmente, de impostos altos e corrupção. Em certos casos, eles têm queixas específicas sobre exploração de recursos naturais e “ingerência” do Governo Federal em certos assuntos – assuntos estes que, de acordo com a Constituição Federal, são de fato prerrogativas da União.

Já outros grupos parecem preocupados com a dominação cultural exercida pelos grandes centros brasileiros onde se situam os grupos econômicos e de comunicação de maior poder e prestígio – no que, a meu ver, tais grupos têm certa razão, apesar de seu discurso às vezes descambar para o etnocentrismo.

Não creio que algum desses movimentos tenha sucesso, pelo menos em curto e médio prazo; aliás, não vejo possibilidade de um dia o Brasil se fragmentar – a não ser pela guerra. Ainda que nosso país se tenha (con)formado pela violência da expansão colonial, com uma unificação forçada à época da Independência (lembremo-nos da resistência à adesão ao Império na Bahia e no então Grão-Pará), é possível reverter as disparidades atuais. Mas para isso todos teriam de abrir mão de algo, num novo Pacto Federativo: revisão do recolhimento, redistribuição e aplicação de impostos; readequação da representação das unidades federadas no Parlamento (difícil, hein!); talvez a redução do número de parlamentares (o quê?!), para enxugar os gastos com a máquina legislativa; maior liberdade de ação para os estados e o DF, reduzindo-se a área de abrangência da União…

As mudanças necessárias são muitas. Alguém está disposto a discuti-las e fazê-las?

Seja como for, antes de sair por aí xingando separatistas de outros lugares, procure saber se no seu estado também não há algum movimento desse tipo. Talvez você se surpreenda…


Seguem abaixo algumas páginas que encontrei no Facebook de movimentos separatistas brasileiros. Não sei se estão todos aí, pois a certa altura da busca eu me cansei… 😉

Estaduais:

AM – Amazonas Independência Já

BA – República da Bahia, República Federativa da Bahia

CE – Ceará Meu País

DF – Movimento Separatista Candango, Movimento Brasília Independente

ES – O Espírito Santo é Meu País, Espírito Santo Independente

GO – República de Goiás

MA – Movimento Maranhão Independente

MS – Mato Grosso do Sul Independente

PA – Pará Independente

PB – Movimento Separatista da Paraíba

PE – República de Pernambuco, Pernambuco Livre

PI – O Piauí é Meu País

RJ – O Rio é o Meu País

RN – Rio Grande do Norte Meu País

RR – Movimento Roraima Independente

SP – Movimento São Paulo Independente, Movimento São Paulo Livre, Movimento República de São Paulo

TO – Movimento República do Tocantins

Regionais:

Movimento Nordeste Livre

Movimento Nordeste Independente

O Nordeste é o Meu País

Nordeste é Minha Nação

Organização Brasil do Norte

Amazônia Independente

O Sudeste é o Meu País

Nação Sulista

Movimento O Sul é o Meu País


Mais sobre separatismo no Brasil:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Movimentos_separatistas_no_Brasil

Santarém, PA, 24/7/2017. Leia e curta também no Blogspot.

Anúncios

Amassando errado!

Fonte: TSE, 2016.
Fonte: TSE, 2016.

Ao chegar a Santarém, Pará, em 2009, tratei logo de transferir meu título de eleitor para o novo domicílio eleitoral. E já no ano seguinte, 2010, fui convocado pela Justiça Eleitoral para atuar como mesário nas eleições.

Fui nomeado presidente de uma seção eleitoral numa área distante de Santarém, no distrito do Lago Grande de Curuai. Partindo da sede do município, na sexta-feira anterior ao domingo da votação, depois do almoço, navegamos por cerca de sete horas em B/M (barco a motor ou, como se diz aqui, barco-motor). Chegamos a uma localidade na margem direita do Amazonas, antes da meia-noite; ali se atracaram os barcos e dormimos em redes atadas dentro das próprias embarcações.

No dia seguinte, sábado, véspera da votação, um pouco antes do meio-dia, depois de viajar horas de ônibus numa estrada de terra (e poeira, muita poeira!) e em carros ou na garupa de motocicletas por “ramais” que mais parecem trilhas, chegamos às comunidades onde seriam instaladas as aparelhagens para a “festa da democracia”!

A historinha para por aqui, pois meu intuito é outro, e vou direto ao ponto.

Fui presidente de seção ali em 2010 (dois turnos) e 2011 (plebiscito). Uma das coisas que notei naquela comunidade de ribeirinhos – cuja seção eleitoral tinha menos de 80 eleitores – foi um uso sui generis (pelo menos para mim) do verbo amassar com o sentido de “apertar teclas ou botões” ou, simplesmente, “teclar”.

De fato, vários eleitores ainda mostravam certa dificuldade e falta de intimidade com equipamentos eletrônicos e seus botões ou teclas, incluindo-se a urna eletrônica. Durante a votação, os eleitores brincam uns com os outros: “Não vá AMASSAR errado”, “Não AMASSE errado”, “Não esqueça de AMASSAR o verde”, “Ih! AMASSOU errado!” etc. Muito curioso esse uso de amassar, num contexto em que muita gente usa e vê/ouve teclar ou apertar. Uso apenas local ou comum a outras áreas da Amazônia? Cabe pesquisa sobre o assunto.

Lembrei disso tudo estes dias porque um jornalista de alta plumagem acadêmica contou numa TV “news” que uma reforma da previdência deixou de ser aprovada durante o governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-1998, 1999-2002) por falta de um único voto. Segundo ele, o deputado Antônio Kandir (PSDB/SP) se confundiu na hora de usar o sistema de voto eletrônico e, pensando estar votando SIM, votou NÃO – e a proposta não passou na Câmara dos Deputados. Que lambança!

Fica o conselho aos tucanos de todas as plumagens: na hora de votar, se tiverem problemas com os dedos, usem o bico, pois vocês são muito bons nisso. Mas não AMASSEM o botão errado!

Santarém, PA, 9/12/2016. Leia e curta também no Blogspot.

Esperando marido

Sempre houve certo desprezo (e ainda o há) contra as áreas de humanidades: dizia-se, em outros tempos, que as ciências sociais em nada contribuíam com a sociedade, pois não “salvavam vidas” nos hospitais, não ajudavam a abrir estradas, não melhoravam a produção rural nem davam formação para as carreiras do Estado.

E no âmbito das próprias ciências sociais, os cursos da área de letras eram os mais desprestigiados, até execrados: devido à grande presença de mulheres, eram chamados de “faculdades espera-marido”, porquanto alguns diziam que serviam apenas para dar formação às mulheres, sem que necessariamente entrassem no mercado de trabalho – como no filme O Sorriso de Mona Lisa.

Mas parece que as coisas mudaram.

Nossa atual primeira da classe no quesito “bela, recatada e do lar” é formada em DIREITO…

Santarém, PA, 25/4/2016.

Muro anti-ianque

Donald Trump promete que, se for eleito presidente dos Estados Unidos, construirá um muro ao longo de toda a fronteira com o México; o objetivo, segundo ele e seus adeptos, é separar de vez ambos os países e impedir que os mexicanos entrem ilegalmente nos EUA levando drogas, crimes e outras mazelas sociais atribuídas aos imigrantes.

Mas talvez a construção desse novo muro da vergonha seja uma iniciativa positiva para ambos os lados.

Sim, talvez os próprios mexicanos gostem da ideia, se pensarem nela com mais calma, e sejam beneficiados pelo muro também.

Afinal, como sabemos, todos os criminosos norte-americanos fogem ou sonham fugir para… o México!

Santarém, PA, 17/4/2016.

A espada e a toga

Uma coisa para pensar:

Em 1937, Aníbal Ponce publicava sua obra Educación y Lucha de Clases, que se encerra relembrando uma história dos tempos do tirano argentino Juan Manuel Rosas. Em 1842, para conter os focos de agitação e revolta que surgiam em oposição a seu governo nas poucas escolas do país, Rosas nomeou como diretor do ensino primário ninguém menos que o… chefe de polícia!

Nada para espantar-nos. Os latino-americanos nos acostumamos a ver os militares como protagonistas em momentos de agitação política.

Mas parece que as coisas mudaram. Em dezembro de 2001, quando caiu Fernando de la Rúa e a Argentina teve três presidentes em um mês, lembro-me de ter lido um comentário de que nem os militares argentinos queriam assumir o governo de lá.

Hoje no Brasil os militares estão em paz, recolhidos à caserna, respeitando a lei e as instituições como se nada de anormal estivesse acontecendo. Nada “militar”, digamos.

O protagonismo que temos visto é da Justiça: juízes, promotores, procuradores, Ministério Público, ministros do STJ, TCU, TSE, STF…

Enquanto isso, o governador de São Paulo nomeia como secretário de Educação… um desembargador.

Espero que seja apenas coincidência.

Santarém, PA, 15/4/2016.

Democracia cordial

Cada dia me convenço mais de que a sociedade brasileira é doente. Trata-se de uma doença crônica de mais de 500 anos, cujos sintomas se mostram mais graves nos dias atuais.

Não vou nem mesmo citar os inúmeros preconceitos que ainda persistem em nosso país. (E é lamentável que muitas pessoas não tenham consciência ou vergonha de suas falhas morais nem se esforcem para vencê-las.)

É normal que haja opiniões políticas divergentes em todos os lugares – somente os néscios não sabem disso.

Mas agredir ou incitar a agressão (física ou apenas moral) de pessoas com opiniões diferentes; negar atendimento médico por motivos de divergência política; pedir que uma intervenção militar instaure uma ditadura; usar cargo público (eletivo ou não) e a máquina do Estado para assumir protagonismo e influir na opinião da sociedade; enfim, achar que os fins justificam os meios e assim agir; além de outras coisas, como apoiar condutas execráveis apenas para que se realizem seus desejos políticos – tudo isto é, para mim, demonstrações de que, como disse Sérgio Buarque de Holanda em Raízes do Brasil:

“A democracia no Brasil foi sempre um lamentável mal-entendido.”

Parece que ainda o é. Infelizmente.

Santarém, PA, 14/4/2016.

Leia e curta também no Blogspot.

Monarquia à brasileira

640px-Flag_of_Empire_of_Brazil_(1870-1889).svgAssistindo a um filme sobre a monarquia britânica, convenci-me de que devemos ser muito gratos a Deodoro da Fonseca, Quintino Bocaiuva, Benjamin Constant e os demais que, em 15 de novembro de 1889, com um golpe de estado derrubaram o Império Brasileiro e nos deram a República dos Estados Unidos do Brasil.

O motivo?

Os Próceres da República pouparam-nos da vergonha de ser a monarquia mais ridícula do mundo!

Duvidam disso?

Já imaginaram como seria se, além das presepadas diárias de nossos políticos, ainda tivéssemos de aturar os escândalos de nossa casa real e sua farândola de nobres parasitas e perdulários?

De manhã, veríamos no sisudo jornal A Província de S. Paulo que, na noite anterior, o duque das Neves Gerais, acompanhado de uma beldade da família real da Frísia ou do Irã, fora pego dirigindo bêbedo seu veículo automóvel da marca Jaguar e se recusara a fazer teste de bafômetro – pois aos nobres esse exame não é obrigatório.

Depois leríamos na Carta Imperial que o barão das Cunhas é acusado de ter dinheiro ilegal em suas contas na Suíça.

Já o marquês das Alagoas de Renânia tenta escapar de mais um processo no Senado do Império, enquanto Dom Santana, gentil-homem da Bahia, é preso para explicar a campanha de reeleição da primeira-ministra, sob investigação.

Tudo isso mostrado com os habituais cortes e retoques no Jornal Imperial da TV Orbe do jornalista Dom Robert Marinus…

Sim, escapamos de ser a monarquia mais ridícula do mundo; mas entre as republiquetas ainda temos bastante concorrência!

Santarém, PA, 1º/3/2016.