Defendendo a tradição

Nos últimos tempos têm sido implementadas, cada vez mais, políticas de proteção cultural, com vistas a evitar o desaparecimento de práticas ancestrais populares. Alimentação, dança, música, vestuário, linguagem, medicina, organização social, narrativas e mitos – tudo isto é objeto de iniciativas de governos e ONGs, e o Brasil não fica fora dessa orientação. Neste século temos visto multiplicar-se o número de projetos, em nosso país, com o objetivo de “tombar”, conservar “cultura”.

Não sou contrário a essas iniciativas. A cultura muda com o tempo e é preciso garantir seu registro para que esse conhecimento dos antigos não se perca.

Mas será que tudo o que é “tradicional” merece mesmo ser preservado? Não serão algumas práticas, rotuladas como tradicionais, simples resquícios que deveriam deixar de ser cultivados, permanecendo apenas na história, nos livros e nos museus?

Creio que a confusão, quanto a este tema, se dá por causa da classificação aleatória, indiscriminada e sem critério de elementos de cultura popular como imprescindíveis, cuja conservação é tida como necessária para a manutenção das identidades etc. O que é o “tradicional”? Tudo o que é tradicional é bom?

Vejamos um exemplo.

A escravidão durou quase 400 anos no Brasil, deixando profundas marcas em nossa sociedade. Todos sabemos disso. E sabemos também que o tempo em que durou o escravismo foi suficiente para criar uma “tradição”, levando muitos a pensar a escravidão como algo intrínseco ao Brasil, que sem a escravidão, entraria em colapso, iria desfazer-se.

Extinguiu-se por lei a escravidão, e o Brasil não acabou, embora a extinção – incompleta – da escravidão tenha deixado sequelas e problemas ainda sem solução (racismo, exclusão). Eis uma tradição que ninguém quer ver recuperada…

Outro exemplo: discute-se se povos indígenas têm o direito de, no âmbito de suas tradições, sacrificar crianças recém-nascidas por terem alguma deficiência física ou serem fruto de gravidez de gêmeos ou outro motivo, explicável em suas respectivas culturas. Mas os direitos humanos não protegem essas crianças? Ou temos aí uma categoria de crianças que, por serem oriundas de outras “tradições”, devem receber tratamento diferenciado? Criminalizamos a palmada e permitimos o infanticídio?

Os casos são muitos, mas vejamos mais um para terminar.

640px-Saigas_Chyornye_Zemli
Saigas (fêmea e filhote) numa reserva natural da Rússia. Fonte: Wikipédia.

Um documentário da TV Animal Planet sobre o mar Cáspio mostrou a situação da saiga (Saiga tatarica), espécie de antílope que habita as estepes ao norte daquele mar. Segundo cálculo de biólogos, há uns 30 anos havia cerca de 1 milhão de saigas habitando a região, número que hoje beira os 250 mil – 3/4 daquele contingente sumiram em 3 décadas, em sua maioria caçados ilegalmente por causa de seus chifres, muito estimados na medicina tradicional chinesa, valendo cada chifre cerca de 4.600 dólares (no mercado negro, é claro).

Parece que o cruzamento de CHIFRE com MEDICINA TRADICIONAL CHINESA não dá bons resultados: também as várias espécies de rinocerontes estão à beira da extinção, vítimas da caça incansável em todo o mundo por causa de seus chifres. Quanto a terem ou não propriedades curativas os chifres destes e outros animais, deixo a explicação aos cientistas. Mas duvido que tenham.

A defesa intransigente e incondicional da preservação de tradições é algo que me irrita por causa disso. A história avança, os tempos mudam, a cultura transforma-se – nem sempre para melhor, sabemos disso, mas cabe a nós controlar a mudança. Creio que nem tudo o que é prática dos antigos, tradicional, folclórica etc. deve ter continuidade. Alguns hábitos estão fadados a tornar-se história.

Já quanto à medicina TRADICIONAL chinesa, esta precisa rever alguns de seus procedimentos.

Do contrário, no início do próximo século o único bicho chifrudo que veremos será o touro… além de outro animal bípede que não irei citar aqui.

Santarém, Pará, 25/11/2015.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s