Hóquei, handebol e hanseníase

olimpiadas2Dentro do espírito esportivo e olímpico já instalado entre nós, faltando cerca de um ano e meio para a Olimpíada do Rio de Janeiro, toco num assunto que me vem à mente muitas vezes, quando acompanho transmissão de disputas esportivas internacionais e contagem de medalhas. A febre olímpica que toma conta da mídia na época dos jogos me faz refletir sobre a dificuldade que têm os professores de português em seu papel de conduzir os alunos ao domínio das normas de pronúncia e grafia da língua culta, pois esse ensino é, todo o tempo, desautorizado e desmentido pelo “descuido” de parte da imprensa, descuido que é motivado por problemas estruturais de nossa educação e cultura.

Antes de explicar o que quero dizer com isso, revisemos um aspecto ortográfico de nossa língua portuguesa.

Em sua maioria, as palavras portuguesas começadas com a letra H são de origem latina ou grega. Os próprios latinos já a usavam para representar o fonema /h/, e também para transliterar o sinal conhecido como espírito áspero (ʽ), que representa na ortografia grega, no início das palavras, o mesmo /h/. Com a difusão do alfabeto latino, o H passou a ser usado na escrita de várias línguas, entre as quais as germânicas (inglês, alemão, holandês etc.) para representar esse fonema ou algum outro semelhante a ele.

HNa ortografia portuguesa, assim como na castelhana, italiana, francesa e catalã, a letra H é um sinal sem nenhum valor fonológico, isto é, não representa fonema (é claro que não é isso o que ocorre quando essa letra toma parte dos dígrafos CH, LH e NH, que representam fonemas — mas não trataremos disso aqui). Nas palavras em que se emprega o H isolado – sempre no início delas –, trata-se de um sinal etimológico, isto é, um indício de que, no étimo (palavra de que se originaram outras), havia o fonema /h/: é o caso das palavras hoje, homem, hífen, hermético, hiato, híbrido, herói, Hélade, heleno, Hermengarda, hélice, hálito, húmus, Hamburgo, hambúrguer, Hércules e muitas outras. O fonema representado em inglês, alemão e outras línguas pela letra H não existe em português, e o H português, sozinho, não representa fonema algum, motivo pelo qual as palavras iniciadas em português com essa letra soam como se fossem iniciadas por vogal.

Nos programas jornalísticos e esportivos, porém, alguns nomes iniciados por H são pronunciados à maneira anglo-saxã, isto é, lê-se a palavra como se fosse inglesa ou alemã, mesmo quando é grafada conforme as normas do português. Observei isso durante os noticiários esportivos, pois os locutores e apresentadores, sem exceção, pronunciavam os nomes hóquei e handebol com uma consoante inicial aspirada, inexistente em nossa língua, apesar de esses nomes aparecerem grafados de forma correta (nessas situações que observei, a palavra handebol tem também a sílaba tônica deslocada, de oxítona para proparoxítona).

Trata-se de uma grande confusão, em que vemos raríssimo fenômeno de palavras com grafia vernácula e pronúncia estrangeira (fenômeno que é como jabuticaba, isto é, só existe no Brasil). O que ocorre geralmente é o contrário disso: quando um vocábulo estrangeiro entra em nossa língua, tornando-se de uso corrente, ele se adapta ao nosso sistema fonológico-fonético, ou seja, acomoda-se a nosso sistema fonológico e a nossos hábitos de pronúncia. Mais tarde, adapta-se a palavra à nossa ortografia: nossa pronúncia vernácula de palavras como football, baseball, abat-jour, surf, club, sleeper e snooker é que levou às grafias portuguesas futebol, beisebol, abajur, surfe, clube, chulipa e sinuca, respectivamente; estas palavras são e devem ser, portanto, pronunciadas portuguêsmente, como as demais palavras de nossa língua que com elas se parecem.

Até mesmo os documentários de televisão, dos quais se esperaria mais cuidado com o texto, apresentam as mesmas confusões de pronúncia. É irritante assistir a um documentário dublado na TV e ouvir o locutor, ao se referir às “hostes turcas que cercavam Constantinopla”, pronunciar a palavra hostes (lê-se [óstes]) como rostes.

Por quê? Onde ele aprendeu isso? Ainda se fosse numa conversa espontânea e informal, poder-se-ia relevar o deslize. Mas ouvir isso num texto que foi traduzido e depois lido em estúdio por um profissional de dublagem é indicação de falta de preparo.

200px-Gerhard_Henrik_Armauer_Hansen
G. H. A. Hansen (1841-1912), descobridor da causa da hanseníase. (Wikipedia)

Também digna de nota é a pronúncia do termo hanseníase, até mesmo na publicidade dos órgãos públicos de saúde: conquanto se costume pronunciar à inglesa o nome do descobridor do bacilo de Hansen – na verdade, era norueguês –, o nome da doença causada por aquele micro-organismo tem grafia e pronúncia vernáculas; portanto, em nossa língua, o H de hanseníase não “soa”, ainda que isso não seja respeitado pela imprensa. Quem não gosta do nome lepra, devido a toda a carga pejorativa que essa palavra traz, sinta-se então à vontade para usar, em seu lugar, hanseníase, mas a pronúncia é [anseníaze]. Outra opção é dizer mal de Hansen – aqui se pode pronunciar o H, mas não em hanseníase.

E mais: tais deslizes de prosódia atingem até mesmo palavras de outras línguas, pois nomes de origens diversas são, na imprensa, pronunciados como palavras inglesas. Nos dias de hoje, graças ao grande avanço tecnológico das comunicações, as notícias chegam de todos os pontos do mundo, e, apesar de haver milhares de línguas — e também por causa disso —, as agências de notícias distribuem os textos em inglês, língua internacional do momento (!?); pelo que seria pedir demais, além de pedante, querer que as pessoas, mesmo que cultas, saibam pronunciar todos os nomes estrangeiros conforme as línguas de origem. Compreensível.

Mas quando essa anglicização chega ao cúmulo de nomes espanhóis e franceses serem pronunciados como se fossem palavras inglesas, não sei o que dizer. Nós brasileiros, que tanto admiramos os povos de língua inglesa e nos esforçamos para ser como eles, poderíamos imitá-los também nisso: não ter vergonha de pronunciar nomes estrangeiros conforme a fonologia/fonética de nossa língua, pois se há uma coisa de que os anglófonos não têm vergonha é de sua língua, e não têm vergonha também de pronunciar os nomes estrangeiros à sua própria maneira, sem se importar com o que os outros pensam ou dizem.

Para arrematar este ponto: em português, as palavras iniciadas com H — inclusive nomes geográficos, como Hanói (cidade vietnamita) — devem ser pronunciadas como se iniciadas com vogal, pois esse H é apenas um sinal etimológico.

Concluo este artigo falando do nome da capital chinesa.

Muitos nomes geográficos, conhecidos do grande público há pouco tempo, não têm forma vernácula portuguesa; neste caso, o que podemos fazer é grafá-los de acordo com a grafia de origem ou conforme a transliteração mais usual na imprensa internacional (no caso de línguas que não utilizem o sistema de letras latinas). Mas quando há formas portuguesas  já estabelecidas, estas é que devem ser usadas, pois, além de tradicionais, são as que encontramos nas enciclopédias, dicionários e outras obras de referência.

Parece que a “descoberta” da língua inglesa por alguns tradutores e jornalistas brasileiros despejou em nossa imprensa grande número de nomes ingleses de países, cidades, localidades etc., totalmente desnecessários. É o caso de Beijing, transcrição, em letras latinas, do nome da capital da China. O nome dessa cidade, em português, há muito tempo é Pequim, e temos formas portuguesas para diversos nomes de localidades chinesas: Tibete, Cantão, Xangai, Macau, Taipé (capital de Formosa, ilha independente mais conhecida como Taiwan), NanquimManchúria, nomes que podemos usar sem medo de errar ou passar por retrógrados (este parece ser o medo de muita gente).

Estes nomes estão no português há séculos — lembremo-nos de que os portugueses foram os primeiros europeus modernos a chegar ao Extremo Oriente (Índia, Indochina, China e Japão), e muitos termos oriundos de línguas orientais entraram nas línguas europeias trazidos pela língua portuguesa.

Mas parece que toda essa antiguidade cultural e linguística, de que outros povos sentiriam orgulho, tornou-se motivo de vergonha, e o cuidado de escrever respeitando as normas e tradições de grafia e pontuação tornou-se cafonice. É notável, ainda que lamentável.

Em futuro artigo continuarei este assunto, tratando de alguns nomes geográficos e suas formas portuguesas.

Santarém, Pará, 23/8/2012. Editado em 14/3/2017.

Leia e curta também no Blogspot.

Anúncios

2 comentários sobre “Hóquei, handebol e hanseníase

  1. Muito bom, muito bem. Seu texto é uma aula não só sobre o tema em si mas também de estilo vernacular. Parabéns é no mínimo tudo que tenho para expressar meu apreço !

    PS: Algo que tenho notado mais acentuadamente na atualidade é o uso do tempo presente em vez de ( como era mais comum no passado) o uso do subjuntivo presente. Exemplifico com uma frase do seu texto: ” e não têm vergonha também de pronunciar os nomes estrangeiros à sua própria maneira, sem se importar com o que os outros pensam ou dizem. ” ( Então, em minha mente ainda me inclino a dizer ali: … pensem ou digam )

    Curtido por 1 pessoa

    • Há uma diferença, é claro: o indicativo dá mais precisão (ou seja, alguém de fato diz ou pensa alguma coisa); com o subjuntivo o contexto é menos preciso, pois não é certo que alguém dirá ou pensará algo, apenas se apresenta a possibilidade.
      Mas você tem razão quanto ao uso menos frequente do subjuntivo em construções frasais como estas, nos dias atuais, em favor do indicativo. Eu mesmo escrevi instintivamente, sem pensar em usar o subjuntivo.
      Grato pela leitura e comentário pertinente, como sempre!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s