Homenagem impontual

fapespaO uso correto da pontuação em nossa língua tem sido um problema para muitas pessoas, principalmente quando se trata de vírgulas. Em se tratando do vocativo, então, a situação é ainda mais complicada, pois muita gente nem mesmo se dá conta da necessidade do uso de vírgula a acompanhar este elemento frasal. E a vírgula, aí, não é elemento decorativo, pois tem função: marcar a pausa, que sempre acompanha o vocativo.

Este cartaz é exemplo da incompreensão de muitos quanto ao uso e função da vírgula. Ficou à mostra no sítio da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará – Fapespa (www.fapespa.pa.gov.br), órgão estadual paraense de fomento à pesquisa, como homenagem do Dia Internacional da Mulher.

As mulheres que visitaram a página nos últimos dias certamente agradecem, com sinceridade, a homenagem.

Mas onde foram parar as duas vírgulas que deveriam acompanhar – uma antes e outra depois – o vocativo mulheres, separando-o dos outros elementos da frase?

Talvez se tenham posto a correr, alarmadas com os altíssimos índices de violência doméstica e contra as mulheres no Brasil e no Pará.

Escrevi em 2012 um artigo sobre isto (o vocativo, of course), ainda disponível em Língua e Cultura (no Blogspot).

Resumindo-se a coisa, temos o seguinte:

  • O vocativo deve vir sempre acompanhado de vírgula; esta é a marcação da pausa que acompanha o vocativo em todas as situações.
  • Se a palavra em função de vocativo está no início da frase, a vírgula vem depois dela; se ela vem no fim da frase, a vírgula deve estar antes.
  • No caso de que aqui tratamos, como temos a palavra vocativa – mulheres – no meio da frase ou oração, ela deve vir acompanhada de duas vírgulas, uma antes e outra depois, pois na entoação da frase há duas pausas, uma antes e outra depois da palavra mulheres.

Homenagem é coisa boa, todo mundo aprecia. Mas não nos esqueçamos da pontuação, inclusive a do vocativo.

Anúncios

Dia Internacional da Mulher… à moda soviética!

Quando comecei a estudar o esperanto, em 1992, uma das grandes novidades para nós iniciantes era a possibilidade de contato com pessoas de outras partes do mundo.

Telefonar para o exterior era loucura (se até mesmo possuir linha telefônica era um luxo no Brasil!), os boatos sobre uma tal Internet eram algo meio futurista demais, nem se pensava em e-mail, MSN, Skype, redes sociais…

A solução era o velho correio, inventado (dizem) pelos persas há mais de 2.500 anos. Trocávamos cartas, cartões postais, selos usados, fotos, bilhetes de trem e metrô exóticos, calendários antigos em línguas desconhecidas…

Um dos meus correspondentes era um ucraniano, de quem recebi estes dois cartões postais com texto russo, alusivos ao Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março. Ambos são da década de 1980, portanto são da era soviética.

Facilmente se deduz que a frase em russo 8 MAPTA significa “8 de março”.

INTERNACIA VIRINA TAGO… SOVETUNIE!

Kiam mi eklernis Esperanton, en 1992, unu el la novaĵoj por ni komencantoj estis la eblo kontakti homojn el aliaj regionoj de la mondo.

Telefonado al eksterlando estis frenezaĵo (eĉ posedi telefonon estis luksaĵo en Brazilo!), la onidiroj pri ia Interreto ŝajnis tro futurismaj, oni eĉ ne pensis pri MSN, Skajpo, sociaj retejoj…

La solvo estis uzo de la malnova poŝto, inventita (oni diras) de la persoj antaŭ pli ol 2.500 jaroj. Ni interŝanĝis leterojn, poŝtkartojn, poŝtmarkojn, fotojn, ekzotajn metroajn kaj fervojajn biletojn, kalendarojn en nekonataj lingvoj…

Unu el miaj korespondantoj estis ukraino, de kiu mi ricevis ĉi tiujn du ruslingvajn poŝtkartojn rilatajn al la Internacia Virina Tago, festata je la 8-a de Marto. Ambaŭ estas el la 1980-aj jaroj, do el la Sovetunia erao.

Oni facile vidas, ke la ruslingva frazo 8 MAPTA signifas “8-a de Marto”.

Santarém, PA, 3/8/2015. Editado em 3/8/2016.