A lei e o terrorismo

Não sei o que dizer da Lei Antiterrorismo ora em discussão no Congresso Nacional. O projeto, originário do Senado, foi discutido na Câmara e lá sofreu alterações; mas parece não estar agradando a gregos nem a troianos.

Movimentos sociais e militantes de esquerda acusam a lei de ser muito DURA; segundo eles, ela permite considerar como terroristas esses próprios movimentos e as manifestações e protestos em favor dos direitos humanos ou reivindicações sociais.

Já a oposição ao governo e militantes de direita acham que a lei é MOLE demais, pois para estes ela permite que atos violentos e de destruição (tidos em outros países como atos de terror) sejam cometidos sob a alegação de ocorrerem em contexto de manifestações sociais.

Ou ambos os lados têm alguma razão… ou nenhum deles tem. Eis aí o busílis: saber o que é ou não um ato terrorista.

Mas talvez a coisa nem seja assim tão difícil: todos têm sua própria noção do que seja terrorismo.

Terrorismo é aquilo que os outros fazem.

Santarém, PA, 29/2/2016.

Anúncios